29 de novembro de 2007

Cachecol de crochê e a pressa...

Este cachecol de flores eu tirei da revista Acessórios em Crochê, da Ed. On-line (ano 1, n. 2).





Foi minha primeira aventura com flores (claro que precisei de muuuuitas dicas da minha mãe nesse loooongo processo de 21 flores...).






As emendas, feitas depois de prontas todas as flores, ainda estão longe de perfeitas; o certo seria emendá-las já no fazer, mas mesmo as mais experientes dizem que isso não é fácil*.

Tenho planos de fazer um desse branco e bege. Não ficaria bacanérrimo?

E não é que esta manequim aqui ficou bem elegante?





**************************
*Prometo que um dia serei menos preguiçosa e mais empenhada em aprimorar os "processos". Por enquanto pego alguns atalhos, sabe? Além disso, há aquela urgência insuportável que aflige os ansiosos: sempre estou de olho em outros tantos projetos e acabo não curtindo o que estou fazendo.

Meu pai acha graça, ao ver a mim e a minha mãe feito duas insanas querendo terminar logo um pra começar outro; sempre diz que parece que temos encomendas de uma fábrica pra entregar e que um hobbie devia servir como terapia, não como mais um motivo de estresse... Sabemos disso, paiê!! Mas não é fácil!!

Sobre essa "pressa" latente, a Claudia do Tricotando (aliás, só um aparte: já notou a quantidade de "Claudias" existente nos blogs? Pode reparar...) falou sobre a paciência que devíamos ter para entender bem as receitas, que, segundo a Solange do Mon Tricot, NÃO MORDEM!!! (aqui: <http://feitoamao.typepad.com/montricot/2007/06/tricotar_pra_qu.html>); e não ter preguiça de desmanchar e refazer até ficar bom (e eu agüento??!!) e da satisfação que se deve ter com o processo em si, não só com o resultado.

A Claudia ainda diz:
"Na verdade, o prazer de tricotar está, pelo menos para mim, totalmente relacionado com o fazer. Pode parecer loucura, mas esse gostar de fazer é o que me inspira, por isso não me contento com os projetos muito simples - gosto dos pontos elaborados, das receitas detalhadas, dos desafios. Essa é a motivação para aprender, tentar, criar, inventar. E foi essa motivação que me fez decifrar os mistérios das receitas. As nossas receitas são mal elaboradas, faltam detalhes, falta informação, sobra descuido com a leitora e descompromisso com a arte do tricô. Isso, porque para publicar uma receita de qualidade é preciso investir em pessoas que elaborem, que desenvolvam técnicas, que tenham conhecimento de moda e, acima de tudo, que tenham bom gosto... isso tem um custo alto, e as editoras não estão interessadas em investir nisso. Sabe por quê? Porque eles dizem que não vende! É a mesma coisa com as lãs, com as agulhas, com os acessórios, enfim, ainda não descobriram o imenso potencial deste mercado no Brasil." http://tricotando2005.blogspot.com/2007/07/receitas-como-decifrar-esse-mistrio.html

Assino embaixo, meninas, mas não consigoooooooooooo!

Um comentário:

Cláudia disse...

Olá amiga!
Concordo contigo em tudo!
Ainda não percebi bem porquê que existem tantas Cláudia com blog, mas talvez seja todas as Cláudias são ÓPTIMAS artesas! o que te parece? É um dom que todas as cláudia têm! lol
Eu também tenho a loucura de fazer as coisas super à pressa para começar algo novo, ás vezes páro para pensar como estou a ser tonta e que não devia ser assim mas não consigo...
Beijinhos, Cláudia